Este processo tem 2 vertentes:

a)  desenvolvimento regular das competências do pessoal contratado, tendo em vista a melhoria do desempenho e a valorização pessoal – estas necessidades são identificadas pelas chefias, por análise de resultados de auditorias, ou pelo próprio, constando dos levantamentos sectoriais anuais das necessidades de formação, os quais servem de base à elaboração do plano anual de formação.

b) desenvolvimento das competências de colaboradores, para tarefas ou projectos específicos nos quais são identificadas lacunas, normalmente aquando da admissão de novos colaboradores – estas carências são em regra satisfeitas pontualmente, de modo a poder garantir a satisfação dos compromissos assumidos ou previstos a curto prazo. 

A TGA procura ainda:             
- identificar as aptidões naturais dos seus colaboradores, atribuindo-lhes funções ou envolvendo-os em áreas específicas dos projectos mais consentâneas com essas aptidões;             
- fomentar a iniciativa e a inovação, apoiando sugestões, individuais ou colectivas, bem como a frequência de cursos que possam contribuir para esse objectivo. A qualidade da formação realizada é sempre avaliada em formulário próprio e, sempre que possível,é avaliada a sua eficácia, nomeadamente para apurar se a mesma contribuio ou não para a melhoria do desempenho.
São mantidos registos individuais relativos ao grau de ensino, experiência, formação e qualificações.
             
A TA dispõe de uma sala de formação com capacidade para 20 pessoas destinada a  ministrar acções de formação aos colaboradores da empresa.